sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Quem manda na economia?




É coisa que dá que pensar.
Os nossos bancos tem a sua disposição 12 mil milhões de € para recapitalização.

É dinheiro mais do que suficiente para retirar todos os nossos bancos do aperto financeiro em que vivem.

Mas o dinheiro está disponível e ninguém o quer?

- pois, estas coisas da economia nem sempre tem uma interpretação linear.
Os bancos não querem aceitar o dinheiro pois seria uma forma de diminuir o poder dos seus proprietários, na visão dos bancos, não faz sentido aceitar 12 mil milhões para começar a financiar a economia, pois cada financiamento é um risco.

E financiamentos com risco estão os bancos cheios (PPP’s Empresas Publicas; Câmaras Municipáis…etc…etc), então o que eles defendem acaba por ser simples, peguem nos 12 mil milhões e distribuam pelas empresas publicas e obriguem estas a pagar o que devem aos bancos.

Os bancos ficavam recapitalizados, perdendo grande parte do credito considerado Lixo, ficando igualmente com músculo para enfrentar estes tempos difíceis.

É aqui que a porca torce o rabo, para o governo isso é impensável, se o dinheiro for para empresas Tipo Refer; CP ou câmaras municipais elas pagam aos bancos mas esse valor entra na contabilização do défice.
Só as empresas de transporte devem aos bancos 14 mil milhões, e na ajuda financeira disponibilizada, nenhuma parcela contempla estas empresas.

Ou são vendidas com as dívidas, e não valem nada, não valendo nada não existe receita…

Ou são vendidas sem as dívidas, valem dinheiro mas como o estado assume esses pagamentos eles vão aparecer nas contas e lá se vai os 5.9%.

Nesta guerra do teima, teima, cada uma das partes vai esgrimindo os seus argumentos, a corrente parte sempre pelo elo mais fraco, o país não pode continuar assim parado sem dinheiro por muito mais tempo, e se os bancos são privados, ninguém os pode obrigar a aceitar dinheiro que não querem.
Mesmo sendo obrigados a aceitar o dinheiro nada nos garante que esse dinheiro venha a servir para promover a economia.

Um teimoso nunca teima sozinho, ficarei a aguardar pelo desenrolar da guerra, para no fim, com o país de rastos, com falências e desemprego em massa uma das partes seja vencida.

Pois o mais importante parece ser quem manda na economia!

Sem comentários:

Enviar um comentário

;)