terça-feira, 17 de junho de 2014

Juntar PS/PSD/CDS num programa conjunto.



Em programa que sugue Portugal para o Sec. XXI.

O país tem limitações de capital preocupantes.

A dívida do Estado e das Empresas condicionará por muitos anos os possíveis investimentos com capitais próprios, sendo o investimento estrangeiro uma resposta para os nossos problemas.

OK…Então que tal o Lítio? Sim, o Lítio, temos pelo menos 6 minas a profundidades de 30 metros (FELMICA) a maior delas no distrito de Guarda, com reservas para 70 anos.

Uma Fábrica de transformação dos calhaus extraídos das minas em Lítio criaria emprego, e aumentaria o valor acrescentado de um material que é produzido em Portugal.

Localizada na Guarda tem acesso directo à produção da mina e pela linha Férrea pode receber calhaus de todas as outras minas, e depois de transformado, chegar aos Portos Portugueses ou seguir directamente para o Centro da Europa.

Então e a Fábrica de Baterias? Não seria outra aposta a considerar?

Juntar a Fábrica de Lítio à fábrica de Produção de Baterias, dá para ter uma ideia da economia de escala? Sem necessidade de transporte os calhaus saem da mina, são transformados em Lítio e por fim em baterias, tudo no mesmo local!

Dá que pensar, não é?

PS; PSD ou CDS? Só se for para rir!

Então e o Hidrogénio?

O Japão está a apostar forte no Hidrogénio, a prometer mobilidades de 500kms a 600kms por carregamento, não é de considerar?

- E como funcionam os carros a Hidrogénio?

- Utilizam células de combustível para transformar o hidrogénio em energia, os motores são igualmente eléctricos e continuam a necessitar de baterias de Lítio!!!

Dá para entender? O Lítio está sempre presente!

Não será possível estabelecer uma parceria?

No Japão não existe Lítio, dá para entender? Eles não têm Lítio, que compram à china e qualquer falha na entrega prejudica gravemente a economia Japonesa…

Essa é a principal razão para o Japão apostar no Hidrogénio, fica a depender menos das baterias, pois o principal meio de locomoção passa a ser o Hidrogénio.

Então e uma parceria?

Eles apostam em carros movidos a Hidrogénio que querem exportar, necessitam DESESPERADAMENTE de Lítio, para os carros, tablets, smartphones e afins, Portugal tem Lítio, não têm uma indústria vocacionada para o Hidrogénio, mas ele já é produzido nas duas refinarias da GALP, poderá igualmente ser produzido por Hidrólise, visto que o preço da electricidade, em muitas alturas é inferior a 10€/MWh, ficando o preço de produção nos 0.60€/kg.

Mesmo considerado o custo de produção de energia Hídrica a 50€/MW, teríamos preços de Hidrogénio a rondar os 3.10€/ kg, 1 kg de Hidrogénio dá para percorrer mais de 100kms!
Aumentaria a produção nacional de Combustível, pois já produzíamos hidrogénio e diminuíam as importações!

Então e uma fábrica de montagem de carros? Como a VW? Na zona de Braga ficaria junto ao Cluster, com todas as vantagens inerentes.

Não era necessária uma grande produção, existem marcas Japonesas a produzir anualmente o mesmo ou mais que a VW, isto é 9.7 milhões de automóveis por ano, se a VW com essa produção pode ter uma fábrica com produções anuais de 100.000 automóveis, não poderá o Japão igualar a parada?

A proposta Portuguesa é simples, Know-how em Hidrogénio e fábrica de montagem de Automóveis com incorporação de acessórios produzidos em Portugal, em troca Portugal oferece as habituais taxas a aplicara empresas que adiram a Portugal o senhor dos Anéis, ou seja 10%IRC + 10% de S.S. para os encargos da empresa com trabalhadores com ordenados superiores a 750€.

Oferece igualmente, em caso de necessidade, todo o Lítio transformado que o Japão necessitar, ou 50% em Lítio e 50% já em Baterias, seguindo as normas Japonesas…

É tudo negociável… Dá para entender?

A GALP já produz Hidrogénio capturando igualmente o CO2 para utilizar depois na refinação do crude.

Criando um mercado para o Hidrogénio em Portugal é mais uma possibilidade de venda para a GALP! Não dá para juntando a isso renegociar o preço escandaloso a que pagamos a energia eléctrica produzida nas refinarias?

E a EDP? Produzindo Hidrogénio por hidrólise, liberta Oxigénio e captura Hidrogénio, pode igualmente aumentar e muito as vendas, não existindo o problema da captura de CO2.
De todas as rendas excessivas que a EDP beneficia não dá para negociar a participação da EDP no novo mercado do Hidrogénio vs as rendas excessivas que estão garantidas por contratos existentes?


Existe algo neste post difícil de entender? É isto política? Não, não é, é bom senso e pouco mais… 

Sem comentários:

Enviar um comentário

;)