sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Carta ao Pai Natal




Olá Pai Natal, o meu nome é João.

Depois de conversar com o meu amigo Guilherme, resolvi escrever-te esta carta.
Eu sei que já tenho 45 anos, mas no fundo sinto-me um menino.

Eu sei que isto para ti não é fácil, tens muitos meninos para tratar e eu já tenho idade para ter juízo.

Promessas são promessas! Pior que tu, estou eu, que da última vez que falamos ainda eras o menino Jesus, escutando os meus pedidos para o natal.

Eram momentos ternurentos, passados na cozinha, junto ao fogão, olhando para a chaminé, lá seguia a lista das coisas que queria, isto de pedir só uma prenda, nunca foi coisa para nós.

Incentivado pela minha mãe os pedidos eram enviados como carruagens de um comboio, quero isto, mais aquilo, ficando ela com uma ideia de tudo o que tu terias de trazer para o natal.

Depois cresci e não mais falamos até hoje.

Escrevo-te em Setembro para evitar os dias de ponta, isto de trabalhar só um dia por ano não lembra ao Diabo, mas tu é que sabes.

Como a pedir não gosto de ser pobre queria um carro híbrido, que funcione a electricidade e hidrogénio, autonomia superior a 500 km e que dê para levar toda a família.

Faltam mais de 100 dias, não me venhas com desculpas, pois o que não te falta é tempo.
Depois de mais uma surpresa com o meu bolinhas é isso que quero!

E mais, ficas já avisado, ou me arranjas um carro híbrido, com as características que te solicitei, ou não falo mais contigo.

Um abraço, que beijinhos é coisa de putos e até sempre.

Deste menino bem comportado,


João Filipe

Sem comentários:

Enviar um comentário

;)