sexta-feira, 7 de outubro de 2016

Desportistas de Elite e a fiscalidade em Portugal



Quando falta dinheiro ao País aumentam-se os impostos. Quando já temos os impostos em máximos, precisamos encontrar uma solução diferente sob pena de se fazer jus ao ditado “tudo quer, tudo perde”.

Os escalões de IRS – por exemplo -  são um ENORME convite ao incumprimento para quem ganha muito, para quem ganha assim-assim e para quem ganha pouco.

Descontar 28,5% de IRS a quem recebe 600€/mês não lembrava ao DIABO, mas lembrou aos governantes de Portugal.

No caso de um desportista de elite, com uma carreira bastante curta, é tudo ainda mais surreal. Não é possível pensar que teremos bons desportistas a atuar em Portugal se aos seus rendimentos atribuímos cargas fiscais de 48% + 3% de IRS – incluindo sobretaxa - a que juntamos 11% para a Segurança Social.

Para compor o ramalhete, temos mais 23,75% a serem pagos pela entidade patronal referente a S. Social.

Para um desportista levar para casa 1 milhão de €uros referente ao seu trabalho o estado em Portugal recebe mais de 2 Milhões!

Isto não faz sentido!

O que faria sentido? Promover taxas especiais para que seja possível ter uma fiscalidade compatível com o que de melhor existe na Europa. Ter uma fiscalidade que além de reter os nossos desportistas de elite atraísse desportistas de outros países, aumentando a receita.


Fiscalidade Verde para Peugada Ecológica Neutra.


Se as tabelas de IRS tributam em máximos rendimentos mensais superiores a 25.000€, qualquer desportista de elite ganha mais que isso.

Fiscalidade diferencial permitindo descontos de 10% em sede de IRS para rendimentos obtidos em Portugal e 1% para rendimentos obtidos fora de Portugal.

Qualquer desportista nestas condições e com esta fiscalidade, não se sente roubado.

Se o rendimento for obtido em Portugal são 10%, e o CR7, por exemplo pagaria apenas 1%, o que é NACIONAL É BOM! Neste momento a receita fica em Espanha…

Outros desportistas, não nacionais teriam o mesmo incentivo, só pagam 1% de IRS para rendimentos obtidos fora das nossas fronteiras, desde que possuam casa em Portugal...

Exemplos (1); (2); (3) e (4)

Em contrapartida PEUGADA NEUTRA!

A casa ou casas que possam ter em Portugal produzem a energia que necessitam e o carro ou carros são electricos ou a Hidrogénio.

Não podem possuir automóveis com motores de combustão e não os podem conduzir em Portugal.

Lamborghinis e Ferraris, ficam fora das nossas fronteiras.

Corremos o risco de aumentar as receitas e baixar os Impostos para os ricos sem ter muito trabalho.

Era só uma ideia, convidar e propor a quem tem, um país maravilhoso, uma fiscalidade atractiva, com peugada neutra.

Seria um prazer ter uma selecção de estrelas que acrescentava receita anual ao nosso orçamento de estado.

Ficam alguns nomes:

·        Floyd Mayweather Jr. – BOXE
·        Cristiano Ronaldo – Futebol
·        LeBron James – Basquete
·        Lionel Messi – Futebol
·        Kobe Bryant  – Basquete
·        Tiger Woods – Golfe
·        Roger Federer – Ténis
·        Rafael Nadal – Ténis
·        Matt Ryan – Futebol Americano.

É válido para desportistas, podendo ser estendido a outras celebridades.



Tratar bem os milionários e aumentar a receita, custa muito?

Sem comentários:

Enviar um comentário

;)