quinta-feira, 4 de abril de 2013

Portugal o Sr. Dos Anéis – Grid em Angola gera milhões para Portugal - Nova Fábrica Baterias - Cap. 41

Actualmente com um mercado disfuncional estou convencido que se eu amanhã chegar a um PLAYER elétrico e afirmar:

BACANO, inventei uma maneira de armazenar energia, em grandes quantidades, a 0€ (ZERO €uros)!!!
A resposta será tipo…OK, e o que faço eu com isso?

Não é uma questão de o mercado estar ou não preparado, ou dos seus players, ou de Portugal.
Não!

Qualquer mentecapto entende que quando for possível o armazenamento de energia em larga escala, a relação de dependência muda radicalmente.
Isso não interessa a nenhum dos PLAYERS, nem aqui nem em Angola, se um governo, qualquer governo, promover o armazenamento individual, está a dar armas aos mais fracos.

Como fazer isso sem atirar dinheiro para cima do problema, que é, uma velha receita Portuguesa?
Fábrica de Baterias

A primeira de várias fábricas Portuguesas ligada à mobilidade vai ser instalada na Guarda, onde recordo já se encontram as Minas da Felmica, com reservas de Lítio para 70 Anos e a nova Fábrica de transformação dos Calhaus em Lítio.
A Mobilidade vai ter 3 vetores, apoiados por conjuntos de Universidades, ligadas a empresas.

1.       (lanternas e brinquedos/ P.C’s; Tablets, etc…/ Armazenamento individual) Pilhas/ Baterias / Células de combustíveis ligadas a pequenos aparelhos e a habitações singulares.

2.      Mobilidade – (Carros/Autocarros/Barcos/Aviões) – Baterias e Células de Combustível

3.      Armazenamento em Média/Grande escala – Apoio na estabilização da Grid; Armazenamento em Hospitais e outras instalações a funcionar 24h. / Armazenamento e distribuição que permita a um pequeno país como Portugal ser independente de qualquer PLAYER do mercado e ter preços dos mais competitivos do mundo.
Abordando apenas a primeira destas três vertentes, a Grid em Portugal funciona Bem Obrigado, mas em Angola falha constantemente.

Quem lá vive, já se habituou e não existe habitação; hospital; indústria ou escritórios que não tenha o seu Gerador.
É um negocio bastante lucrativo e sem o qual todo o país parava, até as torres de telecomunicações funcionam a gasóleo!

Só visto! Como a energia falha, não podemos correr o risco de faltar a energia e todas as comunicações falharem igualmente, então é carregar geradores a gasóleo sobre tudo o que mexe ou faz mexer.
Quando a energia falha em determinada zona os geradores a disparar são como rajadas de metralhadora...
Ora os Geradores não são produzidos em Angola, pior, por cada gerador vendido são mais (x) litros de Gasóleo consumido por ano, por cada litro de gasóleo consumido no mercado interno Angolano é menos 1 litro que é exportado e são menos receitas que entram.

É do interesse do Governo de Angola promover e apoiar os novos aparelhos de armazenamento eléctrico, que permitem apoiar a GRID sempre que ela falha, sem gastar combustíveis fósseis.
Angola tem petróleo, que vende no mercado a recebe em US Dólares, ou então refina o petróleo extraído, suportando o custo da refinação e depois vende o produto final (Gasóleo ou gasolina) em Cuanzas , suportando novamente um prejuízo brutal por cada litro de gasóleo vendido no mercado interno.

Ao substituir geradores a gasóleo por baterias de lítio, nada ganha nas baterias, como nada ganha nos geradores vendidos, mas pode poupar milhões de litros de gasóleo, horas de refinação, menos consumo interno de um produto com saída garantida no mercado significa mais receitas.
Oferecendo à Felmica sociedade na nova fábrica de produção de lítio e na nova fábrica de baterias, facilmente a Felmica entrega os calhaus a preço de custo, não de mercado, podendo este consorcio apresentar baterias no mercado Angolano a metade do preço, pois o lítio representa perto de 70% do custo de uma bateria!

Podendo o governo Angolano entrar no capital, e claro, entrar igualmente com capital.
A ultima obra de um familiar meu em Angola foi um condomínio com 400 moradias, existem 3 Geradores centrais para back-up, mas por desentendimentos vários entre os proprietários cada moradia adquiriu um gerador.

Só neste condomínio são 403 aparelhos a consumir matéria-prima que poderia ser vendida no mercado resultando em prejuízo directo para o governo de Angola.

Produção Inicial de Baterias

Baterias de 10 KW – 100.000 Und - Custo Produção - 1.000€/Und.
Baterias de 20 KW – 50.000 Und - Custo Produção - 2.000€/Und.

Baterias de 50 KW – 20.000 Und - Custo Produção - 5.000€/Und.
Baterias de 100 KW – 10.000 Und - Custo Produção - 10.000€/Und.

Baterias de 500 KW – 1.000 Und - Custo Produção - 50.000€/Und.
Baterias de 1.000 KW  ou 1MW – 500 Und. - Custo Produção - 100.000€/Und.



Nesta primeira fase serão produzidos para embarcar para Angola 5.000.000 KW ou 5.000 MW de armazenamento, a mesma produção será destinada a outros países africanos, sendo Angola o Front-Office.

Sem comentários:

Enviar um comentário

;)