terça-feira, 1 de maio de 2012

O Euro vai acabar? O prometido é devido…



Passaram 380 dias, que me comprometi a fundamentar a minha opinião sobre o EURO.
Não tenho grande pachorra ultimamente para ir comentando a atualidade deste nosso país bipolar, basicamente falta-me a paciência…

Ando com a sensação de déjà-vu!
-Os reformados e pensionistas

-Os F. Públicos
-A Educação

-A Justiça

-Os Transportes Públicos
Só falta afrontar os “ladrões do nosso futuro”, aqueles que com contratos promíscuos e favorecimentos descarados tem assegurado rendas principescas sobre investimentos duvidosos, mas que nos informam que é para pagar.

Falo das PPP’s e energia onde os projetos megalómanos se sucederam, ficaram apenas os custos, incomportáveis por sinal, mas sobre isso até agora nada, não houve ainda tempo…
A educação, saúde e Justiça são mais 3 exemplos de Áreas onde são derretidos milhões sem que se vislumbre uma estratégia, um rumo ou mero fio condutor de uma política nacional, pensada a 20 anos… NADA!

Que significado tem o dia do Trabalhador num país onde o estado gasta bem mais de metade dos impostos cobrados?
Que significado tem o dia do Trabalhador num país onde o desemprego galopa velozmente a caminho de 1 milhão?

Que significado tem o dia do Trabalhador num país que “se tudo correr bem” chega a 2014 com uma divida equivalente a 120% do PIB?
Que significado terá o dia do Trabalhador num país que em 2014 contará com 1 milhão de desempregados de uma força laboral que ronda os 5 milhões?

Dizem que nessa altura virá o crescimento… de 1% ou 2% acompanhados de juros da divida acumulada de 5% ou 6%, de Rendas nas PPP’s que chegam a 14% e 15%, de Rendas no setor energético onde estamos quase a chegar a uma potencia instalada de 20.000MWh quando as nossas necessidades máximas dos últimos 10 anos foram atingidos em 2010 e rondaram os 10.000MWh.
Para se ter uma ideia do absurdo fica o gráfico das necessidades da Tugolândia no dia de ontem, cada um que retire as suas conclusões…


Vai o euro acabar?
Até prova em contrário julgo que não, a moeda deverá permanecer por muitos e bons anos, mas não com todos os seus atuais membros, Portugal sairá, acompanhado por Gregos espanhóis, italianos, irlandeses e possivelmente franceses e belgas, ficará um euro loiro e de olhos azuis.

A Tugolândia terá mais 1 ano ou 2 de Katumba, antes de constatar o obvio, mesmo com boa vontade pagar tudo o que se deve é impossível, permanecer no EURO é impossível, manter este nível de impostos é impossível.
Resumindo, nada mudou em 2012 para que mude de opinião sobre o nosso futuro, falta saber o quando…

Quando vai Portugal acordar para a realidade?

6 comentários:

  1. Boas Johny,
    sinceramente nao vejo vantagens em sairmos do euro...
    como ja disse num post anterior, o quantitative easing iria repercurtir-se numa tremenda desvalorização e inflacção que basicamente corresponde a uma descida dos salarios como já se fez actualmente com o euro.

    imagina grandes empresas como o continente jumbo, edp, gasolineiras: se amanha o escudo vai valer menos, tenho de por HOJE muito mais caro. embora o dinheiro possa ser impresso, o seu valor nao aumenta.

    creio que a unica solução passa por instituir novamente taxas alfandegárias, de modo a que a produção nacional tenha de novo rentabilidade face às importações. claro que os preços podem aumentar, mas os postos de trabalho também aumentam e diminuem a nossa dependencia das flutuações externas.

    só estamos assim porque a alemanha tem vantagens para exportar para nós. ora, então a solução poderia passar por um estados unidos da europa, que embora eu estivesse a favor, duvido muito que venha a ocorrer.

    Cumps

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas R+,

      As tuas contribuições para o debate de ideias (fundamentadas) tem sido excelente e é de louvar.
      Eu também não vejo grandes vantagens em sair do euro, só que olhando para os números não consigo encontrar maneira de permanecermos na "moeda da união".
      O segundo resgate a Portugal é um dado adquirido, só não vê quem não quer...
      Ninguém sabe qual o melhor caminho a seguir e eu, como afirmei anteriormente acho que não temos alternativa...

      Eliminar
  2. Olá,
    uma solução poderia de facto ser as eurobonds, mas creio que elas são injustas para os países com as suas contas em dia. è tão injusto para a Alemanha e Finlandia terem de pagar as nossas contas, como (eu) sinto em relação aos créditos que vão sendo descobertos na Madeira, e ainda ter de ver o ar sarcastico dele.

    Em alternativa, podia-se deixar que os paises pudessem, excepcionalmente, pedir directamente ao bce a taxas de 1%, enquanto os mercados estivessem acima de um dado valor.
    Claro que esses empréstimos teriam de ser controlados, senão lá vinham as despesas com o crédito fácil (déjà-vu!!). Por isso é que deveria haver um género de mandatário da UE para cada ministério das finanças dos paises do euro para ver TODAS AS OPERAÇÕES que se fazem nestes paises.

    e claro, controlar o acesso ao crédito de TODAS AS INSTIUIÇÕES PUBLICAS. se a madeira, carris, cp, etc precisarem de dinheiro, não o podem pedir directamente à banca, mas sim ao estado que pode, ou nao autorizar. Assim é que há um verdadeiro controlo.

    O objectivo não é acabar com a dívida publica, mas apenas em controlá-la

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas,

      As Eurobonds representam que o justo pague pelo pecador, é verdade, mas o pecador ao pecar, pediu dinheiro para isso e esse dinheiro foi emprestado sem uma correta avaliação do risco :):):)...
      Eu depois de olhar para a maneira como governaram o país depois de 1975 não teria problema em perder essa parte de soberania nacional, venha de lá esse mandatário... Mas isso sou eu...

      Eliminar
    2. Boas, uma nota em off-topic mas acho que dará que pensar. Se Portugal está assim tão pobre, como se justifica ainda a existencia da sport tv?? fui ver o preçario da zon e custa um pouco mais q 26 euros, o que dá quase 300 euros por ano!!

      quando era novo (e nao foi há muito tempo) tinha formula 1 e futebol de graça na rtp 1, agora, continuamos a pagar as mesmas taxas para tv e radio e não dá nada de jeito.

      Ultimamente vejo na tv as pessoas a queixarem se que não têm comida pras crianças mas aparecem sempre com cabelos de cabeleireias :)
      alguma coisa não bate certo, mas é certo q a sport tv nunca receberá um tostao da minha parte. se todos fossem assim, ainda teriamos estes programas a borla.

      Cumps e bom fds

      Eliminar
    3. Viva o Cartão de credito!
      Viva os 30% juros ao ano!
      VIVA!VIVA!VIVA!!!

      Eliminar

;)