quinta-feira, 21 de abril de 2011

Feriados, pontes e afins II

Já foi abordado por várias vezes, mas como dizia a canção “cantarei até que a voz me doa! “


Hoje temos tolerância de ponto, fica sempre bem em período de pré-campanha eleitoral, sempre são mais uns votos!

Hoje é que eu gostava de ver a Função Pública em greve! Aproveitavam ter folga de tarde e organizavam uma manifestação em frente à assembleia!

A assembleia está fechada? Não há problema o pais também não mexe, mas certamente teria impacto! As reivindicações eram simples…

Queremos trabalhar mais! Não é admissível que Portugal tenha mais 6 feriados que alemães e Ingleses e depois ainda são distribuídas benesses de tolerância de ponto, e dias de ponte!

Para quem ainda não sabe, cada dia em que o país está parado são menos 592 milhões de Euros!

Se ficarmos com os mesmos feriados de alemães e Ingleses, se as pontes e tolerância de ponto desaparecerem, se não fizermos greves Portugal poupa mais de 5 mil milhões de euros por ano!

Só por curiosidade, em Junho não temos dinheiro e é essa a principal razão para estarmos de joelhos perante a Europa a pedir esmola!

A única coisa que falta decidir é o ângulo de inclinação, eu proponho 90 graus (Ângulo reto ou recto…)

Já sabem Tugoleses, costas direitas, e pimba! Dói? Pouco barulho! Toma lá 20 cms…

E quanto temos de pagar em Junho?

- 5 mil milhões! Julgo que estamos conversados!

Bom fim-de-semana para todos!

2 comentários:

  1. Até acredito que, se um Sindicato propusesse tal manifestação pelo trabalho, houvesse uma adesão considerável. A maior parte dos trabalhadores portugueses tem mais bom senso e honestidade do que as pretensas elites, de que fazem parte os sindicatos e governos (alegadamente) representantes...

    ResponderEliminar
  2. Boas TV,
    Neste campo julgo estarmos em completo desacordo.
    Basta recordar as recentes greves dos transportes, quando já todos entenderam que os cortes tem de ser grandes e essas empresas não podem dar o prejuízo que dão.
    Como foi o caso dos professores, que chumbando qualquer tipo de avaliação, não propõem nenhum que tenha por base a meritocracia, o que ouvi foi que todos os professores tem de chegar ao topo da carreira em tempo útil...
    Temos também os funcionários judiciais, somos o 2º país com mais funcionários por cada 1000 habitantes, mas claro também chegam todos ao topo da carreira e claro que não são avaliados.
    Julgo que tudo isto vai mudar e brevemente...

    ResponderEliminar

;)