segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Novo Programa de Governo.





Este Post vai estar em constante alteração pois conta com o contributo de todos.
Depois das manifestações apartidárias dos últimos dias, fica a lista sobre o programa de governo que um movimento de cidadãos possa eventualmente levar a votos no próximo ato eleitoral    
(Ideia de Nuno V; Comentário24/set/2012; 14.34Horas).
Programa de Governo

1 – Reduzir os municípios em Portugal, para municípios com mais de 30.000 habitantes (existem várias exceções (13) principalmente nas ilhas, mas permitirá reduzir as Câmaras municipais de 308 para menos de 150!
  •  - As Câmaras/empresas públicas ou com participação estatal, não podem contrair empréstimos/dívidas. Se precisam de dinheiro têm de pedir ao estado central e justificar.
2 – Redução drástica de Juntas de freguesia e eliminação do cargo de presidente de Junta de Freguesia (O Presidente da Câmara Municipal e respetivo Conselho de Administração (Vice-Presidentes/Vereadores) é igualmente responsável pelas Juntas de Freguesia do seu município).
·        C.M. com mais de 200.000 habitantes (C1+) – Máximo de 6 a 12 J.F.
·        C.M. com mais de 100.000 habitantes (C 1)  Máximo de 5 a 10 J.F.
·        C.M. com mais de 30.000 habitantes (C 2)     Máximo de 4 a 8 J.F.
·        C.M. com menos de 30.000 habitantes (C 3) – Máximo de 3 a 6 J.F.

3 – Renegociação EFETIVA de todas as PPP’s com base nos seguintes critérios.
1.      Tornar públicos TODOS os contratos do estado (passado; presente e futuro).
 
2.      TODAS as PPP’s serão agrupadas por tipo (Estradas; hospitais; etc) sendo apurada a média de juros a pagar por tipo de empreitada. (de acordo com Artigo XIII da Constituição Portuguesa).
 
3.      A redução dos encargos com PPP’s será igual à media de juros apurada por tipo de empreitada, deduzindo a perda de rendimento dos trabalhadores Portugueses desde 2009 (de acordo com Artigo XIII da Constituição Portuguesa).
4 - Renegociação EFETIVA de contratos de fornecimento de eletricidade base nos seguintes critérios.
1.      Tornar públicos TODOS os contratos do estado (passado; presente e futuro).
 
2.      TODOS os contratos serão agrupadas por tipo (Barragens; Eólica; Solar; ETC) sendo apurada a média de juros a pagar por tipo de empreitada. (de acordo com Artigo XIII da Constituição Portuguesa).
3.      A redução dos encargos será igual à media de juros apurada por tipo de empreitada, deduzindo a perda de rendimento dos trabalhadores Portugueses desde 2009 (de acordo com Artigo XIII da Constituição Portuguesa).

4. Abolir alugueres/taxas de exploração de contadores de água, gás, luz. Cada um paga o que gasta e todos os contadores estão mais que pagos. Com o fornecimento de contadores de nova geração (smartmeters) pode ser debitado mensalmente um preço ao cliente até que o valor do contador esteja pago.
 
5 - Redução do número de deputados da Assembleia Nacional de 230 para 107 elementos.
5.1- Redução do número de deputados da Assembleia Regional da madeira de 47 para 23 elementos.
5.2 - Redução do número de deputados da Assembleia Regional dos Açores de  57 para 21 elementos.
 
6 – Redução drástica do número de veículos à disposição de figuras do estado de 27.692 para 31.

Quem deve ter direito a veículos do estado?
-Presidente da Republica,
-Presidente do governo regional da madeira,
-Presidente do governo regional dos açores,
-Ministros,
-Presidente da assembleia nacional,
-Presidente da assembleia da região autónoma da madeira,
-Presidente da assembleia da região autónoma dos açores,
-Presidente do supremo,
-Presidente do tribunal constitucional,
-Presidente do tribunal de contas.

Os veículos serão trocados de 10 em 10 anos.

7 – Redução drástica dos apoios/listagem anual de todos os organismos que recebem verbas do Orçamento de Estado ou de outras Entidades Públicas (Institutos; Fundações; Empresas Municipais…)

·        Os organismos que recebem verbas do O.E. ou de outras Entidades Públicas devem constar de uma lista pública com montante recebido e a que projecto a verba é destinada.

·        Todos os organismos estatais e entidades públicas devem elaborar uma lista mensal e disponibiliza-la publicamente com todos os pagamentos efetuados e encargos futuros assumidos.  

8 – Todos os Portugueses com mais de 65 anos têm direito a uma reforma.
·        Todos os portugueses que acumulam reformas por terem desempenhado vários cargos em empresas ou entidades publicas terão de optar por uma só reforma (Aplicação do Artigo XII da Constituição Portuguesa – Todos os Portugueses são iguais, todos os Portugueses têm direito a uma reforma…).

·       Podendo existir reformas específicas para altos cargos públicos (Presidente; 1º Ministro ou Governador do BDP) estas reformas não serão acumuláveis com outras e os seus titulares aos 65 Anos escolherão entre estas reformas ou a reforma em que se considera a totalidade de descontos ao longo da vida contributiva.

·        Todos os Portugueses que se reformaram antes dos 65 Anos terão a sua pensão recalculada, permitindo deduzir todos os anos pagos a mais nas prestações futuras de modo a aplicar o principio da igualdade a TODOS os Portugueses (reforma (re)calculada até aos 80 Anos).
 
9  - União de todas as Policias Portuguesas em 2 forças Policiais (PMP e PTP). 

10 – Depois da reforma municipal (ponto 1 e 2) passamos de 308 Municípios para 147, cada 1 destes 147 municípios terá direito a 1 Quartel de Bombeiros com um corpo de bombeiros composto por bombeiros profissionais.  ·        A composição do corpo de bombeiros está diretamente relacionada à população a servir e à área de Influencia. ·        Os bombeiros voluntários continuarão a existir, mas será criado um corpo permanente de acordo com as necessidades de cada um dos 147 novos municípios. 

11 - Todos os cidadãos têm o direito de acesso à função pública, em condições de igualdade e liberdade exclusivamente por via de concurso publico. A cultura da cunha, compadrio e desresponsabilização acabou!

·        A) Todos os funcionários públicos passam a ser aumentados de acordo com a produtividade do país e não de acordo com a inflação.

·        B)Todos os funcionários públicos têm de ser avaliados e todos os sindicatos da função pública têm de aceitar a regra básica de premiar os melhores e punir os piores.




12 – Abonos/RSI apenas para bom aproveitamento escolar.

Não se pode pagar abonos escolares a quem apresenta um mau desempenho e não mostra vontade de melhorar (mau comportamento na escola).
O RSI é pago para inserir pais e filhos na sociedade não é permanente.

Aumento da Receita

Portugal já não suporta mais impostos, mas existem medidas que podem aumentar a receita sem prejudicar a competitividade do país.

1.      Por cada segundo de imagens de fogo real as televisões pagam 10.000€/segundo na primeira infração, 50.000€/segundo para a 2ª infração e 100.000€/segundo para a 3ª infração e seguintes. (a liberdade de informação passa por mostrar a área ardida, confirmar quantos hectares de terreno arderam e onde, não por imagens de fogo que só promove os incendiários).

2.     Aumento para a taxa máxima de IVA de todos os alimentos e bebidas não saudáveis ex: (Sopas instantâneas; Refrigerantes; Leites achocolatados, etc).







Continua…


24 comentários:

Anónimo disse...

Boas,
flat rate no IRS de proveitos do trabalho ou rendas de imóveis ou poupanças até 100 mil euros, por ex. 10%;

flat rate no IRC, por exemplo 15%,se forem reinvestido em PT não paga;

Taxa de Iva(Luxo)(50%) - Carros de luxo, Iates, Relógios de luxo, Joalharia, etc;
Taxa de Iva (Alto) (25%) - Combustiveis Fosseis, Tabaco, Alcool, etc;
Taxa de Iva (Intermédia) (15%) - Comida Processada, Electronica, Elec. particulares, etc;
Taxa de Iva (Reduzida) (5%) - Elec. para empresas, água, telecomunicações

Aumento de IMI para estabelecimentos comerciais e escritórios, pretendo basicamente colocar as empresas que nao pagam impostos, a maioria, a pagar alguma coisa.

Aumento do Imposto Circulação- Confio na cagança dos portugueses para adquirirem carros, aumenta receita fiscal e evita também os monos nas estradas;

Abolição de imposto sucessório, imposto de selo, Imposto Automovel, Imposto Petrolifero, etc;

A CGD deve receber instruções para financiar, desde que existam condições de pagamentos dos emprestimos, a recuperação de edificios, compra de casas usadas, equipamentos/maquinas produtivas com spreads entre 1% ou max 2% as actividades produtivas e a recuperação do parque habitacional tem de ser incentivado porque dá emprego a muita gente.

A Parpublica deve ser incentivada a comprar posições de empresas cotadas até 20%/25%, tem de haver uma lei que os impeça de nomear boys e os dividendos deverão ser em parte para financiar o OGE e outra parte para reinvestir, o objectivo é q há medida q se alivia a carga fiscal e as empresas distribuem mais lucros se financie mais o OGE através desta fonte, para se voltar a diminuir impostos e sempre assim no ciclo virtuoso;

Tas a vontade para organizar, reescrever.

Cumps,

Nuno V.

Portugal Bipolar disse...

Boas,

Em processo organizativo ;)

Portugal Bipolar disse...

Boas novamente,

Agora com mais tempo.
Concordo com aumento de impostos em todas as categorias que enumeras.
PROMETO incluir todas neste post antes do orçamento de estado.
O grande problema é que Portugal ja atingiu o stress fiscal (aumentar mais os impostos resulta em perda de receita).
Antes de incluir qualquer medida de aumento de impostos gostaria de expor todas as medidas para reduzir a despesa do estado e famílias permitindo devolver mais dinheiro a toda a economia.

Nota:
1- Se não são necessários 308 municípios com presidentes e companhia, se não são necessárias mais de 4.000 juntas de freguesia então não é necessário todos os Portugueses pagarem 5% do seu IRS para os municípios onde residem...
2- Se existe menos despesa com as dezenas de milhares de eleitos para as assembleias municipais e de freguesia, se existem menos sugadores de recursos, as C.M. não necessitam de obter receitas descabidas para evitar a falência...
A Eletricidade e gás pagam taxas aos municípios quando todos os municípios necessitam de ambas as formas de energia.
E quais são os palermas que no fim pagam tudo isto? Claro, somos todos...
Porquê?
Porque existem 9.134 Presidentes, dezenas de milhares de deputados, e todos os outros cargos que gravitam junto aos presidentes.
No final tudo isto é pago pelo contribuinte, que já não aguenta mais.
PS- Sobre os produtos de luxo, os Portugueses com dinheiro comprariam no estrangeiro fazendo uma viagem a Paris ou Londres, os Angolanos responsáveis por mais de 30% das vendas de bens de luxo deixariam de comprar em Portugal...
Nota final
Sobre mais cortes na despesa estou a pesquisar rendas descabidas da REN (17€/MW transportado) que é mais 1 exemplo que prejudica milhares de empresas e milhões de famílias beneficiando apenas uma dúzia ou menos de indivíduos…

Anónimo disse...

Boas,

a minha intenção é uma redução de impostos, mas acima de tudo colocar mais salário liquido nas mãos de quem trabalha, por outro lado baixar os custos de produção das empresas(electridade, água, telecomunicações) e trazer mais empresas para o pagamento de impostos já que todos sabemos que divido a carga e á complexidade do aparelho fiscal a maior parte delas não paga impostos ou paga mto poucos.

Tenho a intenção de adquirir receitas pro estado por via indirecta, seja por aquisição de posições em empresas, quer seja por impostos indirectos (IMI, IC) etc.
Enfim ha q reflectir.

Cumps,

Nuno V.

Anónimo disse...

E ainda há que criar a Policia Portuguesa, unir Universidades e Universidades e Politécnicos, nos Bombeiros Voluntários também há muito a fazer... Existirá necessidade de existirem 6 corporações de bombeiros no concelho de Alijó (Alijó, Favaios, Sanfins, Cheires, Pinhão e São Mamede de Ribatua) e 7 no concelho de Oeiras?!
Não percebo porque existe INEM, Bombeiros Voluntários, GIPS, CVP, Bombeiros Profissionais, Protecção Civil,ISN, FEB, EMA....Há que criar os Bombeiros de Portugal.
Há muito a fazer, mas parece-me que já não há tempo...

Abraço,
MDF

Portugal Bipolar disse...

Boas, diria mesmo ótimas sugestões :)

Abraço
Jony

Anónimo disse...

Percebo a ideia mas parece-me que é uma redução muito drástica!!! É importante notar que os concelhos do interior ficariam com uma área muito superior à que têm hoje e em situações de grande emergência nos locais mais distantes seria impossivel conseguir chegar ao local de ocorrência em tempo útil. Até admito que todos os quarteis que existem sejam necessários o problema é que estão no local errado! Observe-se o que acontece por exemplo em Seia: em Seia existem 3 quarteis (Loriga, S. Romão e Seia). O Quartel de S. Romão dista 3 km do quartel de Seia!!!! Obviamente que se no concelho inteiro ficassemos so com um quartel, eliminando tambem o quartel de Loriga, qualquer fogo que eclodisse na zona sul do concelho adquiriria dimensoes gigantescas antes que qualquer equipa terrestre conseguisse la chegar... Observando a situação no país verifica-se que grande parte dos meios de combate a incêndios estão no litoral, enquanto que a esmagadora maioria da área ardida ocorre no interior!
Recordo ainda que no sector primário (agricultura e florestas) existe uma tarefa herculea a realizar! Lançarei algumas ideias em breve!!!
Abraço e bom fim de semana

MDF

Portugal Bipolar disse...

Boas MDF,
Seia, depois da minha organização territorial passa a ser 1 município com 42.178 habitantes unindo os antigos conselhos de (Seia; Manteigas e Gouveia).
Seia pertence à categoria C2 (C.M. com mais de 30.000 habitantes e menos de 100.000 habitantes).
As anteriores 55 juntas de freguesia existentes nos 3 conselhos passam para 4 a 8.
Estas juntas de freguesia não necessitam de presidente de J.F. pois o conselho de administração da C.M. de Seia e os seus vice-presidentes/vereadores são igualmente responsáveis pelas juntas de freguesia.
A Anterior C.M. de Gouveia, agora J.F. de gouveia será uma das 4 a 8 juntas de freguesia do conselho de Seia.
Nenhuma freguesia necessita de mudar de nome ou unir-se a outra freguesia, mas as Junta de freguesias serão juntas de freguesia de várias localidades.
O mesmo se passa com os Bombeiros!
Os Bombeiros serão Bombeiros Profissionais de Seia, com comandante e tudo…
Podem igualmente ter 4 a 8 Postos de 1ª Linha incluindo ambulâncias; auto tanques e bombeiros, mas o seu comandante é e será o Comandante dos Bombeiros de Seia.
O mesmo se passa com os Correios!
Os Correios terão a sua base em Seia, podendo igualmente existir 4 a 8 postos de 1ª linha, preferencialmente coordenado com as novas juntas de freguesia e bombeiros…
“ a coisa” até é simples, o Sr. Dr. Relvas é que complica…

Anónimo disse...

Alguns pequenos comentários:

- ao ponto 2 (até para facilitar a respectiva implementação cilindrando rivalidades ancestrais): os distritos passam a concelhos e os concelhos a freguesias. Tudo o que estiver a mais desaparece até ao fim de 2012.

- no ponto 5: 5 deputados por cada milhão de habitantes mais 1. Aplicação do princípio um eleitor um voto, sem manobras de secretaria (tipo método D'Hondt) a pretexto do princípio ditatorial: defesa das minorias. Para os Açores e Madeira eleição pelos locais de um regedor e dois ajudantes (a sua proposta de vinte e poucos deputados para aproximadamente 250.000 alminhas nos Açores e outras tantas na Madeira, só pode ser distracção...)

- política fiscal: implementação imediata de uma taxa Tobin a qualquer, e qualquer é mesmo «qualquer»!, movimento bancário. Banco que viole a regra implica prisão efectiva para todos os administradores e restantes envolvidos por um mínimo de 10 anos. Esta taxa será única e com o valor de 5%, e o IRS e o IRC podem assim ser pura e simplesmente abolidos...
Descida do IVA para 18% , mantendo-se a taxa reduzida para os bens essenciais mas tendo de se proceder à redefinição de todos os bens considerados essenciais.

- política de subsídios: fim imediato de todos os subsídios. A atribuição de qualquer subsídio deve ser considerada excepcionalíssima!!!. Implementação do princípio: quem não cumpriu o dever de pagar como contribuinte não tem o direito de receber! (Estou farto de aturar gajos que dizem que têm reformas baixas, mas que andaram a vida toda a fugir ao fisco!!! A única obrigação que esses marmelos têm é dizerem: «Muito obrigado!» aos que como eu pagam impostos para os sustentar!)

- expropriação imediata da GALP, da EDP e da REN (a privatização da REN não lembrava sequer à Margaret Tatcher que chegou a privatizar prisões...). A nacionalização da EDP é a mais fácil: os chineses também nos expropriaram Macau, que nos foi dado pelo Governo legítimo da China na altura. O preço final da energia e dos combustíveis deverá ter um tecto equivalente à soma dos custos de produção industriais (e apenas estes!) mais os de distribuição.

- implementação de uma política de produção de energia que permita obter electricidade aos mais baixos custos para estimular o aparecimento de um sector secundário competitivo. Os hippies das renováveis que paguem as suas excentricidades, que eu não sou pai deles...

José

Portugal Bipolar disse...

Boas José,

Obrigado pelo comentário e opinião.
Sobre Os municípios e juntas de freguesia escrevi bastante sobre isso está tudo na TAG "Ditadura dos Partidos" mas resumindo defendo a passagem de 308 municípios para 147 e das mais de 4200 juntas de freguesia proponho a extinção de perto de 3500.
Sobre os nossos deputados considerei 1 Dep. por cada 100.000 habitantes.
Relativamente aos parlamentos dos Açores e Madeira eu também não vejo razão para a sua existência, mas reduzi o seu número para metade, ficando o povo das ilhas responsável pela decisão de manter ou não as assembleias regionais.
Sobre política fiscal, conforme prometi será apresentado algo antes do orçamento de estado (mantendo a ideia que já ultrapassamos o limite de impostos.
Fim dos Subsídios! Concordo, tenho defendido essa opinião desde que Portugal Bipolar abriu as hostilidades, fim de TODOS OS SUBSIDIOS PARA TODOS!
Só necessitamos da REN e de boas ligações com Espanha, não ter empresas elétricas até pode ser benéfico...
Sobre isso a história vai mais ou menos a meio na TAG Portugal o Senhor dos Anéis...
Um Abraço

Jony

Anónimo disse...

Acrescento mais uma medida: alteração do número 2 do artigo 47 da Constituição. Em vez de: «2. Todos os cidadãos têm o direito de acesso à função pública, em condições de igualdade e liberdade, em regra por via de concurso.» passa a: «2. Todos os cidadãos têm o direito de acesso à função pública, em condições de igualdade e liberdade exclusivamente por via de concurso publico.». A cultura da cunha e do compadrio, tão ao gosto de todos os partidos, tem de ser combatida por todos os meios possíveis e impossíveis.
Abraço,
José

Portugal Bipolar disse...

Boa ideia

R+ disse...

Bem, tanta coisa poderia ser dita…
Tenho pena é que vai ficar aqui tudo misturado…

Começando por uma simples:

# Os Portugueses são todos iguais quer tenham 80 ou 5 anos, por isso quaisquer alterações de direitos e deveres têm efeitos retroactivos (ouviram bem ex-deputados e ex-presidentes?)

1- fazer uma fórmula matemática para que a reforma seja calculada consoante os descontos efectuados. Tão simples quanto isso. Mesmo que um deputado esteja lá 5 anos, irá auferir depois dos 65 anos o q descontou (ter em atenção q descontar X ao longo de 40 anos não é o mesmo que descontar esse mesmo X só ao longo de 5 anos.

2- Aumentar o numero de juízes ou lá o que for preciso para não haver impunidades por prescrições, devido à sobrecarga de processos… Criminalizar quem fez contratos economicamente inviáveis, com respectiva anulação do contracto.

3- consumidor pagador:
Abolir alugueres/taxas de exploração, etc, de contadores de água, gás, luz. Cada um paga o q gasta. Isso serve de incentivo para poupar recursos de forma proporcional, não havendo um mínimo garantido para as empresas que exploram os serviços.
Do mesmo modo o imposto único de circulação não faz sentido. Pois mesmo q um veículo não circule, actualmente está a pagar. Os produtos petrolíferos já estão sobrecarregados de taxas para o estado, onde efectivamente, quem mais consome e polui, já está a pagar mais. Qq carro actualmente paga 100€ no mínimo!!! Quer ande 10mil ou 50mil Km por ano. Ora isso não é um imposto sobre a circulação.

4- abonos apenas para bom aproveitamento escolar:
Não é só fazer filhos para ganhar dinheiro, para estes filhos tb só fazerem mais filhos, etc. Têm de ter emprego e contribuir para a sociedade

5- As Câmaras/empresas públicas ou com participação estatal, não podem contrair empéstimos/dívidas. Se precisam de dinheiro têm de pedir ao estado central e justificar.

6- Todas as receitas vão para o governo central, e este é que distribui pelos municípios.

7- Taxas de produtos:
Tb discordo de taxar produtos de luxo, pois tem efeito de afugentar os ricos (e nós queremos é ricos em Portugal!!! Pois são apenas 5%, mas pagam 20% do IRS)
Ao comprar um carro de 100K euros está a pagar mais Iva q um carro de 10K€)

Taxar produtos q façam mal a saúde (menos despesa futura com diabéticos, hipertensos, etc)
Refrigerantes, comida fast food, teor em sal, tabaco, álcool), mas tb não pode ser de modo tão grave que aumente o mercado negro….

8.
Aumento de certificados de aforro ou produtos similares para o estado pagar a cidadãos nacionais e não para ir todo o dinheiro para o estrangeiro.


Mas esta lista vai servir para alguma coisa? nenhum partido masuquista vai pegar nisto...

Portugal Bipolar disse...

Boas R+,

A ideia é fazer um programa de governo que um movimento de cidadãos possa eventualmente levar a votos no próximo acto eleitoral ou que um grupo de cidadãos não só reclama informando que não quer este caminho, mas...mas...
Sabe que caminho quer percorrer!

As sugestões estão em fase de processamento.

Um Abraço

Jony


Portugal Bipolar disse...


Agora com mais tempo, vamos lá comentar as tuas sugestões ponto por ponto.
1 – Concordo que a reforma para todos os portugueses seja apurada com a totalidade dos descontos efectuados, mas reconheço que para certos cargos possa existir uma reforma tipo. Ex: A todos os Governadores do BDP será garantida uma reforma de 20.000€ a pagar depois dos 65 anos) pode aceitar esta reforma ou a reforma dos descontos efectuados ao longo da vida.
Sendo apenas possível ter uma reforma.
2- Aumentar o número de juízes é apenas um dos muitos problemas da justiça, julgo que o maior é a justiça ser outra maneira de fazer politica… não queria misturar as águas.
3; 4 e 5- incluídos no Programa.
6 – As receitas da madeira e açores ficam lá e Portugal ainda envia mais 5000 milhões por ano (concordo com a verba mas para ser atribuída muito tinha de mudar nas nossas “Regiões Autónomas”.
7 – Foi prometido para dia 14 de Outubro incluir algumas medidas de aumento da receita, mas julgo que já foi atingido o limite, os impostos sobem mas a receita desce…
8 – Se Portugal sair do Euro todo o dinheiro aplicado sofrerá perdas entre os 70% e os 80%...
Cump.
Jony

Portugal Bipolar disse...

São "Só" 500 milhões...:)

R+ disse...

O sector da nurição é uma área onde me sinto particularmente à vontade para falar.
Tens muito por onde subir para reduzir o consumo de produtos nefastos:

-Refrigerantes com alto teor de acúcares simples (glicose, frutose)
-Produtos com alto teor em sal (por exemplo as sopas instantaneas,... ao menos no pao, o estado ja impos uma redução)
-O pão branco deveria ser mais taxado, podendo-se reduzir nos produtos com fibra.
-Taxar alimentos ricos em gorduras, especialmente a trans

então para além da taxa maxima de iva, acrescer uma taxa suplementar de desincentivo/pagamento de saúde.

# em relação às reformas, pronto, compreendo que então se possa escolher no caso de cargos "importantes" aquelas reforminhas especiais. mas então tem-se de dizer quais são esses cargos com reformas especiais. Mas na escolha da reforma "tipica" deveria estar la todos os descontos efectuados durante a vida (inclusivé desses cargos). Pois a reforma deve ser o "retorno" da contribuição do trabalho das pessoas.
Já agora, rever as reformas de certas pessoas (como tenho na familia LOL) que descontaram bem só para os 10 melhores anos. Isso não é sustentavel!! Tem de ser o TOTAL.

Não gosto nada q as receitas fiquem nos municipios (para mim as ilhas deviam ser considerados como concelhos iguais ao continente... já nao estamos no tempo em que as mensagens iam por via maritima). Acho que as receitas dos casinos tb ficam para as camaras e nao para o estado... onde está a lógica??

Em relação aos certificados: só poe la o dinheiro quem quer, assim como nas obrigações de tesouro ou depósitos bancarios. mas eu preferia "emprestadar" ao estado, em vez dos bancos....
cumps

R+ disse...

ups, "nutrição"

Anónimo disse...

Abono de familia a premiar o desempenho escolar era uma excelente ideia! O RSI, por mim, acabava hoje! A quem, infelizmente, não tem saúde para trabalhar deve ser-lhe atribuida uma pensão, aos restantes não pode ser-lhes atribuido um incentivo para não fazerem nenhum....

Abraço

MDF

Anónimo disse...

Utilizando o dinheiro da poupança do RSI, uma das possibilidades seria a utilização desse €€€ na introdução do uniforme escolar em todas as escolas públicas. Parece-me que seria uma medida com muitas vantagens para todos. Recorde-se que o que causa um maior sentimento de pobreza não é o facto das pessoas terem pouco dinheiro. O que realmente causa a pobreza é a desigualdade!!!

Abraço,
MDF

Portugal Bipolar disse...

Incluido ;)

Anónimo disse...

A minha ideia é a seguinte;
. As empresas passam a pagar em senhas de racionamento, são também responsáveis por disponibilizar um cupão especial destinado a vestir cada elemento do agregado familiar.
A habitação, a saúde, os transportes e a educação em cada região, são da responsabilidade do conjunto de empresas dessa região(o País é dividido por regiões económicas). As empresas tem que se distribuir por essas regiões e são responsáveis pelo desenvolvimento das mesmas, já que deixam de pagar impostos e ordenados. A segurança destas regiões "económicas" (policia e bombeiros) é também da responsabilidade destes grupos económicos. A segurança do conjunto destas regiões económicas, a que poderemos, sei lá, chamar de Portugal, fica dependente do nosso querido LIDER jony, este exercito será financiado por todas as empresas, e será frequentado pelos nossos filhos que não queiram fazer parte deste sistema.

Anónimo dos anos 80

Portugal Bipolar disse...

Boas AN80,

Enquanto ´Portugal permanecer um país livre todos podem exprimir a sua opinião.
A maioria participa em greves/manifestações com dizeres vários nomeadamente governo rua ou que se lixe a TROIKA.
Depois existem outros, tipo meia dúzia, que pára para pensar e propor caminhos alternativos.
Não para se vangloriarem mas por serem teimosos, por não acreditarem que existe só um caminho.
Cada um é como é.
És livre para te manifestares, o pessoal por aqui também se julga livre para propor caminhos que no limite não necessitavam deste brutal aumento de impostos….
Manias…

Anónimo disse...

Enquanto o Estado, for esta empresa, em que os lucros ( de empresas como a Galp, a EDP, e em breve a EPAL, a CGD, a TAP e a ANA) ficam para os grandes grupos económicos e os prejuízos ficam para todos nós contribuintes, bem podes cortar e cortar que nunca vais chegar ao fim deste buraco. Por isso digo, só quando não existir Estado (pelo menos este, gerido por incompetentes ao longo de vários anos), só ai vai deixar de existir este monstro (gerido pela meia dúzia que falas), em que existem milhares de "políticos", colocados, não só na Assembleia de Republica, mas em todas as câmaras e juntas de freguesia, que não podem deslocar-se de clio, que todos nós temos de pagar com o nosso sangue. Bem podes estar no gabinete a engendrar outras ideias que mantém o sistema, seja ele mais magro ou com mais gorduras, vamos sempre parar ao mesmo caminho, só mudam os seis de que falas.

Anónimo dos anos 80