quinta-feira, 5 de junho de 2014

Tribunal Constitucional – Aclaração do Acórdão – RESPOSTA.


 
 



Caro Passos Coelho, essa cabecinha oca voltou a tentar pensar, e como sempre, deu merda.

Vamos imaginar o seguinte senário…

Tu, vais preso por toda a merda que tens andado a fazer:

·        As mentiras desde o PEC IV, onde não se poderia pedir mais sacrifícios.

·        O retirar o 13º e/ou 14º mês era uma fantasia.

·        O vender ao desbarato, empresas e afins para pagar alguns juros de uma dívida impagável, etc…

Depois de preso preventivamente, vais a julgamento, defendes-te e tal e no dia 30 de Maio do ano (X) é lida a sentença, que, milagre dos milagres te considera INOCENTE…

Quando entra essa sentença em vigor? Minha cabecinha oca?

É no dia 30 de Maio ou é no dia 31? Será necessário pedir uma Aclaração ao tribunal ou achas que se cumpre imediatamente a sentença no dia, na hora e sais em liberdade?

Deu para entender?

Ainda não? Cabecinha…

E os 13º e 14º mês, e os duodécimos? E o dia de pagamento já foi processado e tal…Meu rapaz, já ouviu falar de acertos?

Achas que o tribunal está preocupado se o estado paga ao dia 20 ou 25 de cada mês? Não achas essa pergunta um pouco ignorante?

Se no dia 30 de Maio foi declarado inconstitucional sem efeitos retroativos quer isto dizer que dia 30 mudou o baile!

Até dia 29 de Maio passa, os dias 30 e 31 de Maio e o mês de Junho já chega o ordenado sem cortes, é só fazer as contas e o acerto respetivo!

Já deu para entender?

Passa lá o IVA para 25%, para ver se esta merda rebenta de vez, que eu por mim estou farto de esperar…

Um Abraço do T.C.

4 comentários:

Nuno V. disse...

Boas,
ele é 1 aldrabão é um facto, lançou se ao pote como ele disse alto e bom som para quem quis ouvir e acho que ha outras formas de dar a volta há coisa, mas se reparares o acordão tem tudo de politico/economico e muito pouco de jurídico. Aliás acho fantástico estes srs acharem que lêem qq coisita e de repente são economistas...

E aqueles argumentos da igualdade deixam me pasmado... só mesmo de gente cínica.

Eles não ficaram preocupados quando o irs para um funcionário publico e um privado são diferentes com prejuízo do privado para níveis de rendimentos iguais. Ou quando uns trabalham menos horas ou tem mais dias de férias, não podem ser despedidos, todos os anos são aumentados por antiguidade etc, etc.

A despesa do estado é gigante, a maior parte é salários dos funcionários e pensões, para mim pensões é um caso há parte, agora salários é como qualquer empresa, qnd falta o dinheiro reduz salários, despede e no limite fecha, agora assim como está não pode continuar.

Enfim há tanta coisa ...

Ab,

NV

Portugal Bipolar disse...

É verdade, concordo com tudo...
O T.C. trata por igual, trabalhadores em situações muito diferentes (Publico vs Privado).
Mas o T.C. não faz leis, aplica-as, olhando sempre para a jurisprudência, sempre foi garantido que 1 funcionário publico tinha emprego para a vida (salvo raríssimas excepções).
Concordo?
Não.
Depois de decidido, tem que ser aceite.
Está mal, muda a lei, porque no fim terá sempre de existir lei a delimitar o Governo e tribunais, independentes, para decidir se as Leis do Governo são, ou não, de acordo com a LEI!
Podemos, juntar o T.C. ao Supremo?
Serem designados de outra maneira?
Claro que sim, mas não é agora a altura de discutir.
Agora é cumprir com as decisões, concordemos ou não, é isso que faz um estado de direito.
Mesmo não concordando com muito, como tu e como eu...

1 Abraço

Jony

Anónimo disse...

Caro Jony,
Isto deixou de ser um problema de concordarmos ou não concordarmos, e depois de decidido tem de ser aceite. Porque carga de água havemos de continuar a pretender que não estamos a fazer harakiri? Eu não quero fazer harakiri! E há mais uns tantos que também não querem. Não há a mínima chance de quem ganha 1 e gasta 3, continuar assim indefinidamente...e não passa de uma perfeita chulice insistir que alguém (alemães ou chineses tanto faz) tem de continuar a sustentar a «coisa».
José

Portugal Bipolar disse...

Eu penso que a dívida é impagável (Em €uros), e quanto mais tempo demorarmos a entender isso pior.
Digo isso desde 2010...
Depois de muito sofrer, no fim, sairemos do €uro, sobre isso eu não tenho dúvidas.
A dúvida é quando...
Olha, é mais ou menos a escolha que escrevi aqui: Podes dar uma olhadela?

http://oportugalbipolar.blogspot.pt/2011/10/catumba-ou-murir.html